Ana Stoppa - Topo
  Todos os Canais 22/08/2017

Curso de Excel Básico e Avançado
Veículos (Brasil) - Produção de veículos no Brasil recua 11% em 2016 e volta a nível de 2004.
Cadastrada em: 05/01/2017 13:11:32
Produção de veículos no Brasil recua 11% em 2016 e volta a nível de 2004.
17660

 

O Brasil produziu 11,2% menos veículos em 2016 na comparação com o ano anterior, segundo dados da associação das montadoras, a Anfavea, divulgados nesta quinta-feira (5).
É o 3º ano consecutivo de queda, um resultado direto da baixa nas vendas de carros, caminhões e ônibus, que chegou a 20% no ano passado.
No total, foram produzidos 2,15 milhões de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus.
O nível de produção foi semelhante ao de 2004, quando saíram das fábricas 2,12 milhões de veículos. O pico foi em 2013, com 3,71 milhões de unidades; desde então só houve quedas.
Atualmente, a ociosidade da indústria automotiva brasileira está em 52%, ou seja, as fábricas instaladas produzem menos da metade do que são capazes.
Expectativa para 2017
A Anfavea previa um recuo de apenas 5,5% na produção para 2016, mas o índice não foi atingido, em parte porque a Volkswagen ficou paralisada por cerca de 1 mês em meio a disputa com fornecedores.
Para 2017, a associação espera um avanço de 4% nas vendas e um crescimento de 11,9% na produção, com a retomada do segmento de veículos pesados.
Pesados
Segundo o presidente da Anfavea, Antonio Megale, o setor de caminhões sofreu mais e voltou aos patamares de 1999. "É um número bastante preocupante", disse.
De janeiro a dezembro, 60,6 mil caminhões saíram das fábricas instaladas no país, o que representa queda de 18,2% ante o verificado em 2015.
As vendas de caminhões novos caíram 29,4% no ano passado, enquanto a ociosidade no segmento ultrapassa a marca de 70%, de acordo com a Anfavea.
Exportações
Sem a reação do mercado interno, as empresas se voltaram para o exterior. As vendas de veículos montados para outros países cresceu 24,7%, em relação a 2015, com 520 mil unidades. Deste total, 380 mil foram para a Argentina.
O volume é o maior desde 2013, que registrou 565 mil unidades. O recorde anual até agora é de 2005, com 724 mil. Em dezembro, o setor registrou a melhor marca de exportação para o mês em toda a história, com 62,9 mil unidades, segundo Megale.
Há grande preocupação sobre como será a relação (entre EUA e México)"
Antonio Megale, presidente da Anfavea
"É um reflexo do trabalho que o governo vem fazendo no sentido de acordos comerciais", explicou. No entanto, em valores, o crescimento foi bem mais discreto, de 1,6%, para US$ 10,6 bilhões.
"Aumentamos de forma relevante as exportações para Colômbia e Chile. Ainda são níveis baixos, mas há tendência de crescimento. (...) E tivemos um aumento de exportações para o México, apesar de não ser tão expressivo, mas o México é o nosso segundo parceiro", afirmou Megale.
Mas o México pode passar por mudanças, com a posse de Donald Trump. O presidente eleitodos Estados Unidos já ameaçou sobretaxar empresas que fabricam carros no México.
"Há grande preocupação sobre como será a relação (entre EUA e México). Pode haver mudanças no ritmo de produção que impactariam a gente", apontou o executivo.
Emprego
O ajuste na produção levou a um corte de funcionários, por meio de desligamentos ou programas de demissão voluntária. As empresas encerraram 2016 empregando diretamente 121 mil pessoas, o que significa que cerca de 9,3 mil vagas foram fechadas durante o ano passado. O número de trabalhadores no final do ano é o menor desde 2007.
Além disso, outros 9 mil empregados estão atualmente com algum tipo de restrição na jornada, seja por meio de lay-off (suspensão de contrato) ou Plano de Proteção ao Emprego (PPE), que reduz a carga horária e os salários.
Em dezembro, o governo federal sinalizou que o PPE será prorrogado para 2017 - as montadoras haviam pedido que o programa se torna permanente. Megale também apoiou mudanças nas leis trabalhistas.
"Vemos também como positivo o encaminhamento de medidas de reforma trabalhista. Para o setor é fundamental a questão do acordado (prevalecer) sobre o legislado. Nós lidamos muito com sindicatos, é importante termos uma segurança jurídica sobre o que é acordado", defendeu o presidente da Anfavea.
Fonte: G1

O Brasil produziu 11,2% menos veículos em 2016 na comparação com o ano anterior, segundo dados da associação das montadoras, a Anfavea, divulgados nesta quinta-feira (5).

É o 3º ano consecutivo de queda, um resultado direto da baixa nas vendas de carros, caminhões e ônibus, que chegou a 20% no ano passado.

No total, foram produzidos 2,15 milhões de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus.

O nível de produção foi semelhante ao de 2004, quando saíram das fábricas 2,12 milhões de veículos. O pico foi em 2013, com 3,71 milhões de unidades; desde então só houve quedas.

Atualmente, a ociosidade da indústria automotiva brasileira está em 52%, ou seja, as fábricas instaladas produzem menos da metade do que são capazes.

Expectativa para 2017

A Anfavea previa um recuo de apenas 5,5% na produção para 2016, mas o índice não foi atingido, em parte porque a Volkswagen ficou paralisada por cerca de 1 mês em meio a disputa com fornecedores.

Para 2017, a associação espera um avanço de 4% nas vendas e um crescimento de 11,9% na produção, com a retomada do segmento de veículos pesados.

Pesados

Segundo o presidente da Anfavea, Antonio Megale, o setor de caminhões sofreu mais e voltou aos patamares de 1999. "É um número bastante preocupante", disse.

De janeiro a dezembro, 60,6 mil caminhões saíram das fábricas instaladas no país, o que representa queda de 18,2% ante o verificado em 2015.

As vendas de caminhões novos caíram 29,4% no ano passado, enquanto a ociosidade no segmento ultrapassa a marca de 70%, de acordo com a Anfavea.

Exportações

Sem a reação do mercado interno, as empresas se voltaram para o exterior. As vendas de veículos montados para outros países cresceu 24,7%, em relação a 2015, com 520 mil unidades. Deste total, 380 mil foram para a Argentina.

O volume é o maior desde 2013, que registrou 565 mil unidades. O recorde anual até agora é de 2005, com 724 mil. Em dezembro, o setor registrou a melhor marca de exportação para o mês em toda a história, com 62,9 mil unidades, segundo Megale.

Há grande preocupação sobre como será a relação (entre EUA e México)"

Antonio Megale, presidente da Anfavea

"É um reflexo do trabalho que o governo vem fazendo no sentido de acordos comerciais", explicou. No entanto, em valores, o crescimento foi bem mais discreto, de 1,6%, para US$ 10,6 bilhões.

"Aumentamos de forma relevante as exportações para Colômbia e Chile. Ainda são níveis baixos, mas há tendência de crescimento. (...) E tivemos um aumento de exportações para o México, apesar de não ser tão expressivo, mas o México é o nosso segundo parceiro", afirmou Megale.

Mas o México pode passar por mudanças, com a posse de Donald Trump. O presidente eleitodos Estados Unidos já ameaçou sobretaxar empresas que fabricam carros no México.

"Há grande preocupação sobre como será a relação (entre EUA e México). Pode haver mudanças no ritmo de produção que impactariam a gente", apontou o executivo.

Emprego

O ajuste na produção levou a um corte de funcionários, por meio de desligamentos ou programas de demissão voluntária. As empresas encerraram 2016 empregando diretamente 121 mil pessoas, o que significa que cerca de 9,3 mil vagas foram fechadas durante o ano passado. O número de trabalhadores no final do ano é o menor desde 2007.

Além disso, outros 9 mil empregados estão atualmente com algum tipo de restrição na jornada, seja por meio de lay-off (suspensão de contrato) ou Plano de Proteção ao Emprego (PPE), que reduz a carga horária e os salários.

Em dezembro, o governo federal sinalizou que o PPE será prorrogado para 2017 - as montadoras haviam pedido que o programa se torna permanente. Megale também apoiou mudanças nas leis trabalhistas.

"Vemos também como positivo o encaminhamento de medidas de reforma trabalhista. Para o setor é fundamental a questão do acordado (prevalecer) sobre o legislado. Nós lidamos muito com sindicatos, é importante termos uma segurança jurídica sobre o que é acordado", defendeu o presidente da Anfavea.

Fábrica da Jaguar Land Rover em Itatiaia, RJ (Foto: Divulgação)

 

Fonte: G1

 

 
Fonte: Redação Portal do Grande ABC
Notícia cadastrada por: gustavo
Essa notícia foi visualizada por 165 internautas.
Imprimir
Entre em contato
Enviar para um amigo
Compartilhar:
http://www.facebook.com
http://www.twitter.com
http://www.orkut.com.br
http://games.pgabc.com
Nome
E-mail
Estado
Cidade
Comentário


Voltar

Categorias
Educação ( 456 )
Saúde ( 299 )
Lazer e Cultura ( 922 )
Esportes ( 2172 )
Cidade ( 7169 )
Política ( 638 )
Veículos ( 152 )
Acontecimentos ( 4079 )
ABC ( 7 )
Nutrição e Saúde ( 184 )
Portal Empregos ( 73 )
Release ( 74 )
Imprensa Ana Stoppa ( 316 )
Comendo e Bebendo ( 1 )
Hebrom Facilitys ( 16 )
Copa do Mundo 2014 ( 29 )
Portal Planeta Saudável ( 15 )
Due Assessoria de Imprensa ( 8 )
Neosono Odonto&Sono ( 5 )
teste ( 1 )
Publicidade
Thunder lateral
Publicidade
SexFenix
Publicidade
Receitas da tia Cleide Portalzinho lateral Áquario de São Paulo Ademar Guerra Jornal Portal do Grande ABC
Jornal do Portal
JUNHO DE 2016
Versão digital e gratuita. Leia!
Assine Nosso Feed
Enquete

Estamos de cara nova! O que você achou do novo Portal?

Rápido e fácil de navegar

Ainda pode melhorar

Boa ferramenta de pesquisa

Está atendendo às expectativas

Usuarios

Visitas: 199 Online

Serviços

O Portal que faz a diferença



Copyright 2005 - 2011 Portal do Grande ABC- Todos os Direitos Reservados